Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas não convencionais. Uma ameaça para todos.
Por Sergio Roberto Santos

As descargas atmosféricas significam um risco para pessoas, edificações e instalações elétricas. No Brasil para reduzir estes riscos em níveis aceitáveis utilizamos a norma técnica ABNT NBR 5419-1/2/3/4:2015¹, Proteção Contra Descargas Atmosféricas.  Esta norma está baseada na norma IEC 61305-1/2/3/4:2010² e contém as informações mais confiáveis sobre como nos proteger contra os efeitos de uma descarga atmosférica direta em uma estrutura, ou evitar danos às nossas instalações elétricas contra os efeitos de uma descarga atmosférica direta ou indireta.
Uma norma técnica não é a receita de um bolo ou uma tese de pós-graduação. Na sua elaboração a comissão de estudos responsável por ela considera vários aspectos, como trabalhos científicos, experiências profissionais, viabilidade das medidas apresentadas e a posição de fabricantes nacionais e internacionais de produtos relacionados a ela.
Ao contrário do Brasil, alguns países permitem que métodos de proteção de eficácia não comprovada sejam utilizados em substituição às medidas tradicionais, apesar da oposição de profissionais destes países. Basicamente, estes métodos de proteção se dividem em medidas que pretensamente atrairiam as descargas atmosféricas, impedindo que elas atingissem locais indesejados, ou sistemas que descarregassem progressivamente as nuvens, evitando a formação das descargas atmosféricas.
Segundo o filosofo alemão Friedrich Nietsche “Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você“.³ A discussão sobre a utilização de sistemas não convencionais de proteção contra descargas atmosféricas reflete exatamente este pensamento, porque falar sobre este sistemas é trazer à luz possibilidades de proteção que não deveriam ser consideradas fora do ambiente estritamente destinado à pesquisa científica, já que não existe nenhuma evidência da sua eficácia e as pessoas que porventura estiverem sobre a sua pseudoproteção estarão rigorosamente desprotegidas, porque não existe nenhuma comprovação de que algum sistema, dispositivo ou método possa determinar onde uma descarga atmosférica atingiria, ou evitar que ela aconteça. Seria a maior temeridade se engenheiros e arquitetos permitissem, por ação ou omissão, que a sociedade servisse de cobaia para a comprovação de métodos de segurança que enfrentam oposição em seus próprios países de origem. Os sistemas convencionais de proteção contra descargas atmosféricas convencionais, existentes na NBR5419-2015, são aceitos em todos os países do mundo, incluindo os países que permitem sistemas não convencionais, mas a recíproca não é verdadeira.
Substituindo um filosofo alemão por um compositor brasileiro, devemos na nossa profissão “Louvar o que bem merece, deixando o ruim de lado”4. Ao utilizarmos a norma ABNT NBR 5419-2015 estaremos seguros em aplicar um documento reconhecido no Brasil e no mundo, respaldado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, de ampla utilização e tecnicamente muito bem concebido. As medidas sugeridas pela nossa norma de proteção contra descargas atmosféricas são seguras, aplicáveis e reconhecidamente comprovadas. Algumas delas podem ser de difícil implementação, mas os prejuízos que elas evitam são enormes.
A NBR 5419-2015 vem sendo discutida em revistas técnicas, seminários e congressos. Mensalmente, inúmeros profissionais têm participado de cursos de atualização para aplicar de forma correta esta norma, uma das mais importantes na área da eletricidade. Felizmente no Brasil existe uma seriedade profissional que limita o espaço para aventuras perigosas.
Descargas atmosféricas matam pessoas e causam inúmeros prejuízos.  Para reduzir estes riscos devemos utilizar a norma técnica ABNT NBR 5419-2015.

 

1 – ABNT NBR 5419-1/2/3/4:2015. Proteção contra descargas atmosféricas:

 

Parte 1: Princípios gerais.

Parte 2: Gerenciamento de risco.

Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida.

Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura.

 

2 – IEC 62305. Protection against Lightning:

Part 1: General principles.

Part 2: Risk management.

Part 3: Physical damage to structures and life hazard.

Part 4: Electrical and electronic systems within structures..

 

3 – Nietsche, Friedrich. Para além do bem e do mal, 1886.
4 – Gil, Gilberto. Louvação, 1967.