Por anos, a energia solar foi considerada promissora, mas pouco competitiva por causa do alto custo de geração. Este cenário, porém, está mudando. O relatório Bloomberg New Energy Finance (BNEF), relativo ao ano de 2015, mostra que, pela primeira vez, o custo de instalação por megawatt de novas usinas solares ficou abaixo do preço das usinas eólicas. O custo de geração também está despencando. Em alguns casos, é mais barato do que a geração de energia por carvão e outros materiais fósseis.

O relatório da Bloomberg avalia o desempenho de novas fontes de energia em 58 mercados emergentes, incluindo o Brasil. Na média, o custo de instalação por megawatt de novas usinas solares chegou a US$ 1,65 milhão, cerca de um terço do valor de 2010, enquanto o custo das usinas eólicas ficou em 1,66 milhão. Embora a energia solar estivesse destinada a ficar mais barata que a eólica, por causa de avanços tecnológicos, poucos previram que isso aconteceria tão rápido.

— O investimento em energia solar passou do nada — literalmente nada —, há cerca de cinco anos, para muito — disse Ethan Zindler, diretor de análise de políticas dos EUA na BNEF. — Grande parte dessa situação se deve à China, que está desenvolvendo rapidamente a energia solar.

ENERGIA MAIS BARATA DA HISTÓRIA

Em 2016, a tendência de queda nos custos se manteve. Quando todas as finalizações de 2016 forem contabilizadas nos próximos meses, é provável que a quantidade total de energia solar adicionada globalmente supere o total de energia eólica pela primeira vez. As últimas projeções da BNEF preveem 70 gigawatts de energia solar instalados em 2016, em comparação com 59 gigawatts de energia eólica.

“Este foi um ano notável para a energia solar”, escreveu o analista Tom Randall. “Os leilões, onde empresas privadas concorrem por contratos enormes de fornecimento de eletricidade, bateram um recorde atrás do outro de energia solar barata”.

O ano começou com um contrato em janeiro para produção de eletricidade por US$ 64 por megawatt-hora na Índia, valor já considerado baixo. Mas em agosto, um contrato no Chile fixou o preço por megawatt-hora em US$ 29,10, a energia mais barata da história, aproximadamente metade do preço da geração com carvão.

Fonte: Globo