Os Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) possuem sistemas internos de desconexão que retiram o DPS do circuito elétrico no caso de uma falha do dispositivo.

Os DPS se danificam por:

  • Uma sobretensão temporária que se mantem por um tempo relativamente excessivo, a partir do qual o protetor não consegue mais conduzir;
  • Pela sua instalação em uma rede com tensão superior à sua tensão máxima de operação;
  • Pela presença de uma corrente de surto maior do que a sua capacidade de conduzi-la;
  • Por um defeito de fabricação do DPS.

Para que um problema com o DPS não comprometa a instalação, os seus fabricantes desenvolvem sistemas, internos e externos, para que eles falhem de forma segura.

Como uma medida fundamental de segurança é necessária a instalação de um dispositivo de proteção contra sobrecorrentes, disjuntor ou fusível, a montante (Antes) do DPS. O valor da corrente nominal deste elemento de proteção adicional é determinado pelo próprio fabricante que indica através de seu catalogo técnico qual o valor deste fusível ou disjuntor para cada modelo específico de DPS.

Os projetistas devem desenvolver seus projetos normalmente e calcular os valores dos disjuntores ou fusíveis necessários em cada quadro de energia, independente da existência, ou não, de um DPS. Após o projetista especificar o DPS, ele deve comparar os valores do disjuntor/fusível do quadro com o valor indicado pelo fabricante do DPS para o modelo que ele especificou.

A especificação do disjuntor ou fusível geral dos quadros, e a especificação dos DPS são etapas independentes do projeto, que em um segundo momento deverão ser harmonizadas.
Se o seu disjuntor/fusível for menor ou igual ao recomendado pelo fabricante do DPS não existirá a necessidade de um disjuntor/fusível adicional. Caso seja maior, será necessária a instalação de outro disjuntor/fusível adequado antes do DPS, já que o disjuntor/fusível original não interromperá a corrente, de defeito, que passará pelo DPS antes que esta atinja um valor perigoso para a instalação elétrica.

dps
Fig.1 – No corpo do DPS está indicado o valor do disjuntor/fusível máximo

Exemplo 1:
Disjuntor geral do quadro 200 A
DPS escolhido V20CO-280V (Modelo OBO Bettermann)
→Disjuntor/fusível indicado pelo fabricante ≤125A:

Neste caso é necessário instalar um disjuntor ou fusível ≤ 125 A após o disjuntor geral do quadro.

Exemplo 2:
Disjuntor geral do quadro 250 A
DPS escolhido MC50-B (Modelo OBO Bettermann)
→ Disjuntor/ fusível indicado pelo fabricante ≤ 500 A:

Neste caso não é necessário instalar um disjuntor ou fusível adicional sendo o geral do quadro suficiente.

Os exemplos mostram que o projetista não calcula o disjuntor/fusível necessário para proteger a instalação contra um defeito ou o final de vida útil do DPS. Ele apenas verifica se o disjuntor/fusível que foi projetado para seu quadro é igual ou menor ao valor que o fabricante do DPS exige que esteja antes do seu dispositivo, para limitar a corrente que será conduzida pelo DPS, de forma permanente, a valores que o DPS possa conduzi-la e não cause danos para os outros componentes da instalação.

Devem ficar muito claro os seguintes pontos:

  • O DPS já possui internamente sistemas que o retire do circuito em caso de falha do protetor contra surtos;
  • Se o disjuntor/fusível atuar significa que o DPS já terminou sua vida útil ou apresentou algum defeito;
  • O valor do disjuntor/fusível indicado pelo fabricante é o valor máximo que pode estar antes do DPS e não o valor mínimo.

Mesmo quando não é necessário um disjuntor/fusível adicional, pode ser conveniente, segundo o projetista, mesmo assim, utilizar um disjuntor/fusível exclusivo para o DPS já que  caso este apresente algum defeito e seja necessária a atuação deste disjuntor/fusível, o geral do quadro não atue e o fornecimento de energia para os equipamentos não seja interrompido.

Caso o disjuntor/fusível seja exclusivo para o DPS sua atuação não influenciará as cargas protegidas que continuarão alimentadas, mas vulneráveis às sobretensões transitórias. Se a opção for pelo aproveitamento do disjuntor/ fusível já existente no quadro, a sua atuação devido a uma falha no DPS implicará no desligamento dos equipamentos, mas que neste caso nunca funcionarão sem que estejam sobre a proteção de um DPS.

Embora não esteja relacionado diretamente com a proteção contra surtos, o dimensionamento dos dispositivos necessários para a proteção da instalação, no caso de falhas do DPS, é muito importante, o que justifica voltarmos a este assunto nos nossos próximos artigos, onde abordaremos a relação entre os DPS e os dispositivos DR, e o comportamento dos DPS em pontos com alta potência de curto circuito.

boxcolunistas-sergio