Passados dez anos, o programa do governo federal Luz para Todos ainda está no papel para 257 mil casas –apesar da meta do governo para 2009 de levar energia elétrica para todos os brasileiros. O exemplo disso está no Piauí. Estima-se que lá existam 32 mil domicílios sem energia elétrica, segundo dados da Eletrobras Piauí.

Por pelo menos 50 anos, moradores mais antigos das comunidades Roça Nova, zona rural do município de São Francisco de Assis do Piauí, Abelha Branca e Gado Bravo, zona rural do município de Paulistana, e Jacobina esperam energia elétrica e se viram para sobreviver.

A dona de casa Cipriana Isabel de Alencar, 77, diz que chegou a Roça Nova quando era jovem e perdeu as contas de quantas promessas sobre a chegada da energia elétrica escutou durante os 50 anos que mora na mesma casa.

Apesar das promessas descumpridas, existe um contador de energia na parede em frente da casa dela.

A exclusão social das pessoas que vivem sem energia elétrica é tamanha que Cipriana nem sequer ouviu falar em Silvio Santos ou em Willian Bonner. “Não sei quem é. Novela? Eu não assisto à televisão”, disse.

Água gelada, refrigerante e cerveja são itens que vivem na imaginação dos excluídos da energia elétrica.

Para diminuir a temperatura da água, eles usam potes de barro no chão. Já refrigerantes e sucos de saco “descem quente”. Cerveja não existe nos bares. A aguardente é a bebida alcoólica mais consumida.

O comerciante Porcídio Fausto de Alencar, 44, usa o terraço e a sala da casa como bar para tirar o sustento da família. Na porta da casa dele, existe um adesivo da antiga Cepisa, hoje Eletrobras Piauí, prometendo energia elétrica para 18 de junho de 2010. O serviço seria executado pela empresa terceirizada Majestosa Engenharia.

“Botaram os postes em janeiro de 2014. Prometeram voltar com 30 dias e até hoje nada”, contou Alencar.

Ele diz que se irrita em pensar que poderia aumentar as vendas caso tivesse energia elétrica. As únicas bebidas do bar são cachaça e refrigerante –servido em temperatura ambiente.

No povoado Campestre, em São Francisco de Assis do Piauí, moradores contaram que a empresa Stec, de Petrolina (PE), estava instalando a rede, mas em março de 2014 os trabalhos pararam. Em fevereiro, o caminhão da empresa passou recolhendo materiais que foram deixados na obra e os transformadores instalados nos postes.

“O pessoal da empresa veio retirar os transformadores dizendo que a empresa não tinha mais dinheiro para concluir a rede. Ter um transformador no poste perto de casa sem energia não tem sentido”, disse Albertino da Silva Gomes, 31.

Respostas

A Eletrobras Piauí informou que até 2014 já levou energia elétrica para 169 mil casas. Segundo a empresa, o número ultrapassa a meta no Estado estipulado pelo governo federal, que era de levar energia elétrica para 150 mil residências.

A Eletrobras justificou que, durante os trabalhos, foram descobertos inúmeros imóveis que não estavam catalogados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A gerência do programa Luz para Todos no Piauí informou que lançou um certame licitatório para contratar uma empresa para a realização de obras nos 224 municípios do Piauí e a ampliação da rede de distribuição de energia, incluindo as comunidades Roça Nova, zona rural do município de São Francisco de Assis do Piauí, e Abelha Branca, zona rural do município de Paulistana. Porém a empresa não informou a data da retomada das obras.

Sobre o abandono de empresas terceirizadas das obras de ampliação da rede em São Francisco de Assis do Piauí, a Eletrobras justificou que a paralisação ocorreu devido ao término da vigência do contrato.

“Contudo a obra será retomada tão logo haja a contratação da nova empresa vencedora da licitação para o lote do município de São Francisco de Assis do Piauí.”

*Colaborou Orlando Bert

Fonte: Uol