Em busca de fonte alternativa de energia e, consequentemente, preocupado com a sustentabilidade, o Campus Natal Central começou a produção de energia solar nesta segunda-feira, dia 18.  Os geradores fotovoltaicos, que totalizam 825 painéis solares, divididos em dois geradores – um com 480 e outro com 345, ocupam aproximadamente 1.290m² e estão instalados sobre o teto dos blocos das salas de aula.

Estima-se que serão gerados 26.200kWh mensalmente, suprindo cerca de 11% do consumo, o que representa uma economia de R$ 116,3 mil anual para o Campus, como também uma redução de 28 toneladas na  emissão de CO2/ano.

De acordo com Franclin Róbias, engenheiro eletricista do IFRN, inicialmente, a energia gerada atenderá os condicionadores de ar dos blocos de aulas e o Data Center do Instituto. A energia restante será distribuída para as demais cargas elétricas ou irá para a rede de distribuição da Companhia de Energética do Rio Grande do Norte (COSERN). Nesse último caso, o medidor da subestação  registrará a energia fornecida para a rede externa e será descontada na fatura do Campus, gerando mais uma economia.

“O projeto, além der gerar economia e ser exemplo do uso de energia limpa, vai proporcionar aos alunos e professores o acompanhamento do seu funcionamento – inicialmente os do curso de Eletrotécnica, futuramente de Engenharia de Energia e de Informática”, observa o diretor de Administração do campus, Francisco Antonio de Pontes, que finaliza: “Nossa meta é ampliar a produção e nos próximos quatro anos chegar a 50% da energia consumida no campus”.

Outros 6 campi (Canguaretama, São Paulo do Potengi, Ceará-Mirim, Currais Novos, Parelhas e São Gonçalo) e a Reitoria do IFRN já possuem usina de energia solar. Os planos são que, em breve, os campi Pau dos Ferros, Caicó, João Câmara e Lajes também passem a contar com suas usinas. O Instituto foi a primeira instituição pública brasileira a usar micro e minigeradores conectados à rede de distribuição de energia elétrica, conforme Resolução Normativa 482/ANEEL.

ECONOMIA

image_preview (1)

A coordenação do projeto Campus Verde do IFRN divulgou na tarde desta quinta-feira (29) que o IFRN economizou, em 2014, aproximadamente R$ 85.860,00 em contas de energia elétrica. A economia foi resultado da produção de três microgeradores fotovoltaicos instalados na Reitoria e nos campi São Paulo do Potengi e Ceará-Mirim, responsáveis pela geração de 340.532 kWh no ano. Além disso, evitaram a emissão de 30,3 T de CO2, já que o produto dos microgeradores é uma energia limpa.

A primeira usina de energia solar do IFRN começou a funcionar na Reitoria do Instituto no dia 30 de dezembro de 2013. A segunda, do Campus Ceará-Mirim, entrou em funcionamento em 24 de março de 2014 e a terceira, do Campus São Paulo do Potengi, em 17 de abril de 2014.

O IFRN foi a primeira instituição pública do Rio Grande do Norte a aderir ao sistema de compensação de energia através da produção de fontes alternativas, o que foi regulamentado pela Resolução Normativa 482, de 17 de abril de 2012, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Formadas por placas solares, as usinas fotovoltaicas transformam a energia do sol em elétrica e, interligadas diretamente à Companhia de Energia Elétrica do Rio Grande do Norte (Cosern), geram descontos proporcionais na conta de luz.

O IFRN ainda instalará usinas nos campi Canguaretama, Currais Novos e Natal-Central. Além disso, os campi avançados Parelhas e Lajes, que estão em fase de conclusão de obras, já serão entregues, ainda neste ano, com usinas fotovoltaicas instaladas e em funcionamento. De acordo com Franclin Róbias, engenheiro eletricista do IFRN, a Cosern deve ir ao Campus Canguaretama nesta sexta-feira (30) para instalar o medidor bidirecional, necessário a esse tipo de sistema, e autorizar a conexão e, portanto, o funcionamento do microgerador. Já as usinas dos campi Natal-Central e Currais Novos devem entrar em funcionamento até o final de março.

Segue abaixo desempenho por unidade em operação:

REITORIA

Energia elétrica gerada = 92.965 kWh

Economia = R$ 23.969,00

8,2T de CO2 deixaram de ser lançados na atmosfera.

CAMPUS CEARÁ-MIRIM

Energia elétrica gerada = 131.083 kWh

Economia = R$ 32.770,00

11,7T de CO2 deixaram de ser lançados na atmosfera.

CAMPUS SÃO PAULO DO POTENGI

Energia elétrica gerada = 116.484 kWh

Economia = R$ 29.121,00

10,4T de CO2 deixaram de ser lançados na atmosfera.

 

FONTE: PORTAL IFRN