Entenda a fuga de corrente e como evitá-la para não aumentar sua conta de energia

Fios desencapados ou eletrodomésticos com defeito podem gerar este tipo de problema.

Sabe o que é fuga de corrente? Já observou, em algum momento, que mesmo quando você economizou durante todo o mês, a conta veio mais alta, como se o consumo houvesse sido o mesmo ou até maior? Pode ser a fuga de corrente, que acontece quando há falhas nas instalações ou problemas no isolamento das fiações.

O salto de consumo em situações de fuga de corrente pode pesar – e muito – no bolso. As principais causas são emendas de fios desencapados, mal dimensionados ou com isolação desgastada pelo tempo. Ou ainda eletrodomésticos defeituosos. Mas como identificar esse defeito na sua rede elétrica? Há duas maneiras:

Instalação elétrica

Para checar se as suas instalações elétricas estão causando fuga de corrente, primeiro confirme que você está devidamente calçado com sapato isolado, isto é, com solado de borracha. Depois, desligue todos os aparelhos das tomadas e apague as luzes. Então, verifique se o disco do medidor continua girando. Caso continue, existe a “fuga de corrente”.

Para identificar a origem da fuga, desligue a chave geral. Se o disco do medidor parar de girar, então o defeito é na instalação elétrica. Neste caso, consulte um eletricista de confiança. Caso o medidor continue funcionando, o defeito poderá ser no medidor. Consulte, então, a sua distribuidora de energia.

Eletrodomésticos

Ligue a chave geral. Mantenha todos os aparelhos desligados e luzes apagadas. Depois, ligue um aparelho por vez na tomada, sem fazê-los funcionar, exceto os equipamentos automáticos que ligam sozinhos e, portanto, vão consumir energia durante esse teste (como a geladeira, por exemplo, equipamento onde é mais provável que ocorra a fuga de corrente. Quando isto acontece, o consumo da geladeira pode ser até sete vezes maior).

Se o disco do medidor começar a girar, o eletrodoméstico em teste ou a tomada estão com algum defeito. Repita o teste com os outros aparelhos, se o disco continuar a girar, o defeito é na tomada.

Aumento no consumo

A fuga de energia é mais comum em instalações antigas, que foram projetadas para suportar o uso de poucos equipamentos. Podem representar, em média, 30% do valor da conta de energia. O uso de benjamins – conhecido, em algumas regiões, como T – potencializa a fuga de corrente.

De acordo com a Eletrobras, até mesmo as paredes que “esquentam” próximo dos interruptores ou aquelas que costumam dar choque quando tocadas podem indicar uma possível fuga de corrente. Além do aumento no consumo, essas fugas podem elevar até mesmo o risco de choque, perda de equipamentos e incêndios.

Como resolver?

Lembre-se de contratar um profissional qualificado para resolver a fuga de corrente. Não faça nenhum reparo com a chave geral ligada e, em hipótese alguma, utilize moedas, fios, lâminas de estanho ou de alumínio no lugar de fusíveis e disjuntores. Para evitar este tipo de problema, faça revisões nas suas instalações elétricas a cada 10 anos, no mínimo.

Fonte: Celpe