Usinas de energia eólica de Parnaíba produzem 88 megawats e já abastecem a região Norte e parte de Teresina com energia limpa

eolica1O parque de energia eólica da Praia da Pedra do Sal de Parnaíba (345 km de Teresina), formado pelas empresas Omega Energia Renovável e Tractebel, já tem 55 aerogeradores e está produzindo 88 megawatts, energia suficiente para abastecer população de 450 mil habitantes, o triplo da população do município onde as duas empresas estão instaladas.

A Omega Energia Renovável possui 35 aerogeradores e produz 70 megawatts e a Tractebel, que tem Márcio Mauriz Leal como assistente de infraestrutura, produz 18 megawatts com 20 aerogeradores.

O diretor presidente da Omega Energia Renovável, Antônio Bastos Filho, afirmou que a empresa produz energia eólica distribuída para a Eletrobras e que já é usada de Parnaíba a Piripiri, na região Norte do Estado, e parte da produção é distribuída para Teresina.

“Teresina já produz energia limpa produzida por nossa empresa”, afirmou Antônio Bastos Filho.

Antônio Bastos Filho afirmou que a usina de produção de energia eólica em Parnaíba tem uma produtividade muito alta. A Omega Energia Renovável atingiu recorde no ano passado.

“O diferencial é que se consegue em um empreendimento de alta produtividade atingir uma tarifa de energia muito baixa no momento em que os preços da energia estão pressionando a inflação. A gente consegue energia barata a preço justo sendo produzida por esses parques de usina eólica”, falou.

A Omega conseguiu uma produção de 55% da capacidade dos parques, o que é uma produtividade alta em relação à média do Brasil, que está por volta de 45%.

Antônio Bastos Filho afirmou que Parnaíba tem uma produção de energia eólica diferenciada por causa da constância dos ventos. Para ele, a produção de energia eólica depende muito mais da frequência e constância do que da intensidade dos ventos.

“Em Parnaíba, em função do microclima, há uma constância, uma frequência dos ventos bastante alta. Por isso, em média nós estamos gerando 55% de nossa capacidade total. São mais de 12 horas por dia gerando 55% de nossa capacidade ”, declarou Bastos Filho.

A empresa está em Parnaíba desde 2001 fazendo medição de ventos e fazendo projetos.

O gerente de implantação da Omega Energia Renovável, Paulo Roberto Marques, diz que a empresa passou a instalar efetivamente seu parque há 14 meses. Ele afirma que os investimentos foram de R$ 270 milhões e cada aerogerador tem 90 metros de altura e precisa de 35 toneladas de aço em sua fundação.

“Recebemos 34 mil volts em nosso painel de média tensão, que passam pelo transformador de energia e saem 138 mil volts”, declarou Paulo Roberto Marques.

Antônio Bastos Filho afirma que a Omega em projeto de ampliar a produção do Parque da Pedra do Sal dos atuais 130 megawatts para 140 mil megawatts, passando de 35 aerogeradores 53 aerogeradores para em uma área de 30 hectares. A

eolica2Omega atende atualmente a 350 mil consumidores.

“Nós produzimos energia suficiente para abastecer Parnaíba, que já é autônoma de energia limpa, e grande parte de nossa produção atinge Teresina”, declarou Bastos Filho. A Tractebel produz o suficiente para atender 40% da demanda dos 145 mil habitantes de Parnaíba, onde está instalada há seis anos.

A Tractebel informa que a velocidade média dos ventos em Parnaíba atinge metros por segundo, chegando a até 15 metros por segundo.

A empresa investiu R$ 105 mil em seu parque de produção de energia eólica.

A Omega começou com investimentos de R$ 300 milhões e vai chegar a investimentos de R$ 700 milhões nos próximos 12 meses e com 100 funcionários.

Fonte: meionorte.com