Relatório mostra aumento de 4,6% na base energética renovável; uso coloca País com menores indicadores de emissão de CO2

naom_5755e28fa3a19

A oferta interna de energia no Brasil registrou, em 2015, o equivalente a 299,2 milhões de toneladas de petróleo. Deste total, 41,2% correspondem à energia renovável – como energia eólica, biocombustíveis (etanol e biodiesel), biomassa, hidroelétricas, entre outros. Em relação a 2014, essa base energética era de 39,4% da capacidade do País. O indicador é superior ao verificado nos países desenvolvidos, que têm apenas 9,4% de renováveis.

Os dados são da Resenha Energética Brasileira de 2016, documento organizado pelo Ministério de Minas e Energias e publicado recentemente. A pesquisa mostra, também, as vantagens comparativas do Brasil na oferta de energia elétrica, com uma proporção de 75,5% de renováveis. Nos países desenvolvidos o indicador é de 23,1% e nos demais países, 22,5%.

Renováveis

O alto nível de renováveis permite ao Brasil um outro destaque, o de baixo indicador de emissões de CO2 por unidade de energia consumida. Em tCO2/tep (tonelada equivalente de petróleo), o indicador do Brasil é de 1,56, contra 2,25 nos países desenvolvidos, e de 2,35 na média mundial.

Na matriz dos transportes, o País registrou a participação de 21,4% de etanol e biodiesel. Nos países desenvolvidos, a bioenergia participava com apenas 4,1% em 2015, e nos demais países, a participação era ainda menos expressiva: 0,8%.

Na indústria, as vantagens comparativas do Brasil são também expressivas, mostrando uma participação de bioenergia sólida de 39,2% em 2015, contra 9,9% nos países desenvolvidos, e de 5,3% nos demais países. Os usos de bagaço de cana para calor de processo na produção de açúcar, da lixívia na produção de celulose, do carvão vegetal na produção de ferro-gusa, e de lenha na indústria de cerâmica, são os principais indutores do alto indicador brasileiro. Com informações do Portal Brasil.

URUGUAI

size_810_16_9_hidreletrica-no-canada

Já em nosso vizinho, Uruguai, as fontes renováveis foram responsáveis pela geração de 98% da energia elétrica, disse nesta terça-feira o presidente da empresa estatal elétrica uruguaia (UTE), Gozalo Casaravilla, que destacou que isto se deve à combinação de fontes hidráulicas, eólicas, fotovoltaicas e biomassa.

O especialista fez estas afirmações durante um encontro com empresários e investidores do setor que se desenvolveu na sede da câmara Espanhola de Comércio, Indústria e Navegação do Uruguai, em Montevidéu.

Nesse sentido, Casaravilla explicou que o Uruguai “fez um bom investimento” desde o passado com a instalação de represas hidrelétricas, que representam 50% do fornecimento atual, às quais se somam as fontes de geração eólicas e solar, que fornecem 40%, e as de biomassa, responsáveis por 8%.

“Neste ano em particular, como foi um ano com boa contribuição nas represas, já temos na média do ano uma ordem de 98 % de energia elétrica do Uruguai renovável”, disse.

Além disso, o engenheiro em eletricidade destacou que todos estes avanços, que localizam o Uruguai como o país mais avançado na região em energias renováveis, se devem aos procedimentos de investimento como contratos de compra de energia (PPA, por sua sigla em inglês), fideicomissos, e sociedades anônimas, entre outras.

Segundo explicou Casaravilla, para a mudança da matriz elétrica uruguaia foi feito um investimento de cerca de US$ 3 bilhões em energia eólica, enquanto em solar foram gastos cerca de US$ 500 milhões, e em fontes de microgeração ficam em US$ 15 milhões.

A máxima autoridade da empresa energética estatal precisou que as previsões de exportação de energia à Argentina e Brasil, que em primeira instância ficavam em US$ 30 milhões, serão revisadas, já que como descreveu, ambos países atravessam diferentes realidades que serão analisadas.

Finalmente, Casaravilla disse que o Uruguai oferece garantias como “o cumprimento de contratos honrados” àqueles investidores internacionais que desejam se instalar no país no setor de geração elétrica.

Fonte: Notícias ao Minuto