O estudo Climatescope 2015, do Fundo Multilateral de Investimentos do BID e da Bloomberg New Energy Finance, mostra que a atividade em energia limpa em 2014 ocorreu principalmente em países em desenvolvimento, liderados por China, Brasil e Chile. As nações em desenvolvimento atraíram em 2014 mais investimentos em energia limpa do que nunca, de acordo com o levantamento.

O Climatescope, lançado nesta segunda-feira (23), informa que novos investimentos em capacidade de energia limpa nos países pesquisados tiveram um grande aumento em 2014, alcançando um recorde anual de US$ 126 bilhões, o que representa 39% a mais que os níveis de 2013. Pela primeira vez, mais da metade dos novos investimentos mundiais anuais em energia limpa foi para projetos em mercados emergentes.

Obtiveram os melhores resultados, respectivamente: China, Brasil, Chile, África do Sul, Índia, Quênia, México, Uruguai, Uganda e Nepal. Crescimento notável foi registrado na China, que acrescentou 35 GW de capacidade de energia renovável – mais que a energia renovável anual incorporada nos EUA, Reino Unido e França juntos.

Houve um acréscimo total de 50,4 gigawatts (GW) de nova capacidade de energia limpa nos países pesquisados pelo Climatescope, sendo 7,7 GW na América Latina e Caribe (ALC), marcando um aumento de 21% (25% na ALC) em relação ao ano anterior e superando pela primeira vez a capacidade de energias renováveis implantada em nações mais desenvolvidas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

fonte: América Economia