Produção de hidrogênio pode ser mais uma alternativa à favor do meio ambiente

Não é de hoje que a alta temperatura do planeta vem alertando ambientalistas e instituições governamentais, porém na COP21 muitos compromissos foram firmados para reduzir a emissão de gases poluentes na atmosfera.

Para que as metas sejam cumpridas três pontos fundamentais foram estabelecidos pelos especialistas que são: a captura da quantidade dos gases poluentes, a redução do seu consumo e a sua substituição por fontes renováveis.

Segundo o professor e doutor Ennio Peres da Silva, do Laboratório de Hidrogênio da Unicamp, a primeira medida a ser tomada se refere à captura e armazenamento do carbono. Geralmente deve ser utilizada em países com grandes reservas de carvão, petróleo e gás natural, porém o alto custo mostra que a tecnologia não resolverá os problemas das emissões sozinha.

Silva ressalta que a redução de fontes fósseis depende de tecnologias mais eficientes tanto o setor de transporte como para o setor energético.

A geração de energia a partir de fontes limpas como a solar, eólica e biomassa favorecem a matriz energética brasileira, já a biomassa também favorece o setor de biocombustíveis já que a mesma pode produzir o etanol, o biogás e o biodiesel.
Porém o setor de biocombustível ainda fica sobrecarregado com apenas uma forma de produção. Para isso especialistas vêm estudando a participação do hidrogênio como uma alternativa favorável ao setor. A sua utilização se dá em carros elétricos híbridos, os quais utilizam o hidrogênio como combustível em células à combustível.

O mais importante é que todas as biomassas podem ser utilizadas na produção de hidrogênio através de processos de gaseificação e reforma de biocombustíveis. Além das fontes renováveis, outras fontes como fósseis ou nucleares também podem produzir hidrogênio por eletrólise da água.

Normas e padrões para a produção de hidrogênio já estão sendo estabelecidos em todo o mundo. A expectativa é que o setor engrene nos próximos anos, já que a necessidade de carros menos poluentes está cada vez maior.

Fonte: Biomassa BR