* por Eng. Sérgio Santos

 

A Norma ABNT NBR 5419/2015, Proteção contra Descargas Atmosféricas, é a norma responsável pela proteção dos seres vivos, edificações e instalações elétricas contra os efeitos de descargas atmosféricas diretas e indiretas nas estruturas. Esta norma é dividida em 4 partes:

1 – Princípios gerais¹.

2 – Gerenciamento de risco².

3 – Danos físicos a estruturas e perigos à vida³.

4 – Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura4.

Embora exista esta divisão, sua aplicação em novos projetos ou reformas deve ser feita integralmente. Não existe um tempo necessário para que a NBR5419/2015 seja considerada conhecida por todos os profissionais. Uma norma técnica deve ser estudada continuamente, já que sempre novas situações podem acontecer.

Os profissionais que desejam trabalhar na proteção contra descargas atmosféricas devem, em primeiro lugar, ler a norma completamente. Sem esta leitura inicial será difícil compreender os princípios básicos apresentados na norma e muitas informações úteis serão desconsideradas.
Uma primeira leitura completa é recomendada para que o leitor possa conhecer todo o seu conteúdo e depois se dedicar aos pontos necessários ao seu projeto. Muitos pontos que podem não ser compreendidos ficarão mais claros após esta leitura inicial.

A NBR 5419-2015 está baseada na premissa de que nenhum sistema de proteção pode influenciar o ponto de impacto da descarga atmosférica. Os sistemas de captação apresentados na norma não atraem ou evitam as descargas atmosféricas, eles as interceptam caso ela venha atingir aquela estrutura, devido a inúmeros fatores que não controlamos.

Este princípio é fundamental para a proteção dos sistemas elétricos e eletrônicos no interior das estruturas protegidas. Caso fosse possível determinar ou evitar onde as descargas atmosféricas atinjam as edificações, as Medidas de Proteção contra Surtos (MPS) deveriam ser revistas, já que saberíamos exatamente onde as descargas atmosféricas iriam atingir.

Uma edificação pode não necessitar de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) mas precisa de MPS. Estas questões serão determinadas pela aplicação da parte 2 da NBR5419/2015, gerenciamento de riscos, que permite verificar a necessidade e conveniência da aplicação das medidas apresentadas nas partes 3 e 4 da norma.

A aplicação de alguma solução que não esteja explicitamente apresentada na norma, ou a omissão daquelas que a norma apresenta como necessárias, pode gerar problemas onde nós não esperamos. Por mais estranho que pareça, um captor mal especificado pode comprometer os sistemas de proteção contra surtos, já que a proteção contra descargas atmosféricas é um todo harmônico, onde cada subsistema influencia os demais.
As medidas que a norma não apresenta carecem de comprovação científica e devem ser evitadas para que o projetista não assuma a responsabilidade por uma medida que a norma não apresentou como confiável.

Como um exemplo final podemos pensar na existência de um super-captor que atraísse todas as descargas atmosféricas para uma edificação. Caso isso fosse possível, as MPS deveriam ser totalmente reformuladas porque teríamos dezenas de correntes de impulso conduzidas pelas instalações elétricas desta edificação. Neste caso o que seria uma ótima solução passaria a ser um grande problema, já que nossa edificação sofreria apenas descargas diretas, já que nosso super-captor atrairia para si descargas atmosféricas que poderiam atingir outras edificações.

A norma ABNT NBR 5419-2015 é um documento realmente complexo. Mas uma única leitura completa da norma permitirá ao profissional compreender que seu SPDA e suas MPS serão mais ou menos complexas em função das características da edificação.

Figura 1 – É impossível determinar o ponto de impacto de uma descarga atmosférica

 

1 – ABNT NBR 5419-1:2015. Proteção contra descargas atmosféricas
Parte 1: Princípios gerais.

2 – ABNT NBR 5419-2:2015. Proteção contra descargas atmosféricas
Parte 2: Gerenciamento de risco.

3 – ABNT NBR 5419-3:2015. Proteção contra descargas atmosféricas
Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida.

4 – ABNT NBR 5419-4:2015. Proteção contra descargas atmosféricas
Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura.